Após críticas, Trump retira ameaça de bombardear sitios históricos do Irã

462
WASHINGTON, DC - JANUARY 07: U.S. President Donald Trump speaks to members of the media during a meeting with Prime Minister of Greece Kyriakos Mitsotakis in the Oval Office of the White House January 7, 2020 in Washington, DC. Prime Minister Mitsotakis is expected to discuss various issues with President Trump, including Greeces relations with Turkey. Alex Wong/Getty Images/AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou sua ameaça de bombardear os tesouros culturais do Irã durante uma eventual guerra bilateral.

Diante das fortes críticas internacionais apontando que tais ataques seriam considerados um crime de guerra, Trump disse que estava “de acordo” com o cumprimento do direito internacional. Contudo, repetiu uma queixa que havia expressado previamente de que considerava essa restrição injusta.

“Pensem: matam nossa gente, explodem nossa gente e em seguida devemos ser muito gentis com suas instituições culturais. Mas estou de acordo com isso”, disse Trump à imprensa. “Saibam que, se essa é a lei, eu gosto de obedecer a lei”, destacou.

Ainda assim, emitiu uma advertência de que se o Irã “fizer algo que não deveria fazer, sofrerá as consequências e com muita força”.

CRÍTICAS INTERNAS

Mais cedo, Trump provocou uma onda de críticas internas, o governo iraniano e a Unesco, a agência cultural da ONU, ao dizer que ele não precisava cumprir o direito internacional sobre a proteção de tais locais na guerra. “Não funciona dessa maneira”, afirmou o presidente.

O Irã conta com uma cultura antiga com mais de vinte locais na lista de sítios do patrimônio mundial da Unesco.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: AGENCE FRANCE-PRESSE/AFP

COMENTE ESTA NOTÍCIA!