Deputados retomam os trabalhos na Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (5/08)

412

Os trabalhos legislativos serão retomados nesta segunda-feira (5/08), com o fim do recesso parlamentar. A semana de retorno às atividades parlamentares será marcada por reuniões de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) e por audiências públicas. Entre os temas em debate estão crimes cibernéticos, licenças, sonegação, direitos da mulher, segurança pública e judicialização da saúde.

Conduzida pelo deputado Marcelo Santos (PDT), a CPI das Licenças recebe, nesta segunda-feira (5/08), às 10 horas, no Plenário Rui Barbosa, Manfrine Delfino Amaro e Miriam Marques Lopes, representantes da empresa Areias do Manfrine. 

O colegiado investiga, entre outras coisas, denúncias sobre ilegalidades em termos de ajustamento de conduta (TAC) e licenças de operação das empresas Vale S.A e ArcelorMittal; além de acompanhar a liberação de projetos pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema).

EDUCAÇÃO E CRIMES CIBERNÉTICOS

Na terça-feira (6/08), haverá reunião conjunta das Comissões de Educação e de Proteção à Criança e ao Adolescente e da CPI dos Crimes Cibernéticos para ouvir professores acusados de assediar alunas da Escola Estadual Clóvis Borges Miguel, localizada na Serra. A reunião será às 9 horas, no Plenário Judith Leão. O colegiado é presidido por Vandinho Leite (PSB).

Na quarta-feira (7), a CPI da Sonegação, comandada pelo deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), realiza reunião às 12 horas, no Plenário Dirceu Cardoso. Na pauta  a investigação de denúncias de sonegação fiscal e adulteração de combustíveis na área de transporte. 

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS

A população de Fundão é convidada a discutir os direitos e prioridades para a segurança do município em audiência pública da Comissão de Segurança. Presidido pelo deputado Danilo Bahiense (PSL), o colegiado realiza reunião pública na quarta-feira, às 19 horas, na Câmara de Vereadores do município. 

A judicialização da saúde também é tema de audiência pública, que acontece na quinta-feira (8), no Plenário Dirceu Cardoso. Marcado para as 17 horas, o evento da Comissão de Saúde será realizado em parceria com a Associação Brasileira de Advogados em Saúde (Abras). O encontro vai debater os impactos da judicialização das políticas de saúde na gestão municipal nas regiões Metropolitana, Central, Norte e Sul. 

Entre 2015 e 2018 foram gastos R$350 milhões em judicialização de demandas de saúde. As maiores queixas referem-se a leitos, medicamentos, consultas e exames. As informações foram dadas à Comissão de Saúde, que recebeu em junho Igor Macedo, representante da Associação dos Mediadores e Conciliadores Judiciais e Extrajudiciais do Espírito Santo (AMCES). 

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: WEB ALES

COMENTE ESTA NOTÍCIA!