Crescem internações de crianças em razão de transtornos mentais

ALTA ACIMA DOS 30% PODE DECORRER DO AUMENTO DE TENTATIVAS DE SUICÍDIO

399

O número de internações de crianças por causa de transtornos mentais cresceu, de acordo com o Ministério da Saúde. A informação está baseada em um levantamento da Sociedade Brasileira de Pediatra (SBP) referente a internações psiquiátricas infantojuvenis.

Os dados da pesquisa apontam que, depois da estabilização das taxas dessas hospitalizações nos últimos cinco anos, houve um salto em 2018 que não pode ser ignorado: entre crianças de 10 e 14 anos, o número subiu de 14 para 19 por 100 mil, um aumento de 36%. Já na faixa etária de 15 a 19 anos, a variação foi de 12%, com os números subindo de 75 para 85 por 100 mil.

O problema é bastante complexo e não pode ser explicado por um único fator, mas uma das hipóteses apontadas por especialistas é de que as tentativas de suicídio que constantemente exigem internações possam estar impulsionando esse aumento significativo.

Entre 2013 e 2017, o crescimento das notificações de tentativas de suicídio entre crianças de 10 a 14 anos foi de 225%. Nesse período, os casos subiram de 1.719 para 5.596. Na faixa dos 15 aos 19 anos, o aumento também foi significativo: os casos passaram de 4.605 para 13.443, um crescimento de 192%.

O Ministério da Saúde divulgou em nota que, apesar do crescimento, do ponto de vista epidemiológico, não dá para dizer que exista uma tendência de aumento. O órgão também afirma que tem buscado atuar na prevenção da saúde mental, atendendo precocemente adolescentes nos serviços de saúde da atenção primária ou mesmo na Rede de Atenção Psicossocial (Raps).

HÁ RISCOS NAS REDES SOCIAIS?

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, a médica Fátima Marinho, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), responsável pelos sistemas de informação do Ministério da Saúde até 2018, disse que “há um problema social que está se refletindo na saúde mental dos adolescentes. O mesmo ocorre em outros países. As redes sociais têm influenciado muito no comportamento. O aumento de internações, das tentativas de suicídio e de suicídios são sinais de alerta.”

Também é preciso levar em consideração outros sinais de que a criança e o jovem estejam sofrendo com algum tipo de problema dessa ordem. Quem já não ouviu relatos de jovens com depressão que tentaram se matar e se referem a alguém conhecido que tentou
ou morreu?

Dados como esses nos impulsionam a fazer algo em relação ao problema. Quem tem filhos ou conhece jovens que sofrem de depressão deve permanecer sempre vigilante. Depressão é um assunto sério e também pode levar à morte.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: UNIVERSAL.ORG

COMENTE ESTA NOTÍCIA!