ES cresce no ranking de competitividade dos estados e governo comemora: ‘condições favoráveis aos empreendedores’

343

O Espírito Santo subiu duas posições no Ranking de Competitividade dos Estados, elaborado anualmente pela CLP, organização social cujo objetivo é transformar o Brasil por meio do desenvolvimento de líderes e a mobilização da sociedade. O anúncio foi feito em cerimônia realizada nesta sexta-feira (18/10), em São Paulo, do qual participou o gerente de Competitividade da Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedes), Humberto Queiroz.

O Estado subiu 12 posições no pilar de potencial de mercado, oito no pilar de infraestrutura e cinco no pilar de segurança pública, e foi um dos estados que receberam a posição de destaque na edição de 2019 do Ranking em relação ao ano passado. O Espírito Santo está na frente de estados como Rio Grande do Sul (7º), Minas Gerais (8º) e Rio de Janeiro (10º) e atrás apenas de Mato Grosso do Sul (5º), Paraná (4º), Distrito Federal (3º), Santa Catarina (2º) e São Paulo (1º).

Humberto Queiroz: “Não há como fomentar o desenvolvimento sem, antes, garantir que os entraves à competitividade sejam removidos”.

Para Queiroz, a competitividade é um tema de extrema relevância para o desenvolvimento. “Não há como fomentar o desenvolvimento sem, antes, garantir que os entraves à competitividade sejam removidos. É para isso que trabalhamos, e é com muito orgulho que estamos aqui, em São Paulo, presenciando o Estado avançar no Ranking”, comemora.

Para o titular da Sedes, Marcos Kneip Navarro, o ranking mostra o quanto o Estado tem a oferecer aos investidores. “Estamos reunindo todas as condições favoráveis aos empreendedores que quiserem se instalar aqui ou expandir os seus negócios em terras capixabas. Estamos trabalhando em todos os pilares elencados pelo ranking. Para se ter uma ideia, queremos figurar, em dez anos, como um dos cinco estados mais inovadores do país”, afirma o secretário.

DIRETORA EXPLICA METODOLOGIA

A diretora de Mobilização do CLP, Ana Maria de Castro, explicou como funciona a metodologia para compilação de dados do Ranking de Competitividade.

“Entre os dados que utilizamos estão pesquisas do IBGE, mas os resultados apresentados são relativos à 2018. Temos uma metodologia própria que define o conjunto de indicadores do ranking. A partir daí, iniciamos o cálculo dos pesos para poder diferenciar, por exemplo, as desigualdades regionais. Quando os indicadores se sobrepõem, é necessária uma equalização dos pesos. Além disso, alguns estados possuem desafios em relação à alguns pilares que não estão refletidos nesses indicadores. Neste caso, utilizamos um painel com especialistas para calibrar os indicadores e trazer uma edição mais correta, de acordo com a realidade de cada unidade da federação”, destacou Ana Maria.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: ASCOM SEDES/ASCOM ADERES/ASCOM IPEM

COMENTE ESTA NOTÍCIA!