Gabigol decide e Flamengo derrota o Santos em jogo marcado por interferências do VAR

185

Em duelo marcado pelas longas interferências do árbitro de vídeo, o Flamengo espantou o fantasma da Vila Belmiro e bateu por 1 a 0 o Santos, mesmo em mais uma atuação nada convincente. Aniversariante do dia, Gabigol decidiu de novo contra seu ex-clube e homenageou o ator Chadwick Boseman, falecido na última sexta, na comemoração.

Após a primeira semana livre para trinar sob comando de Domènec Torrent, a expectativa era alta sobre uma melhora de rendimento da equipe. E ela aconteceu, ainda que muito longe daquele time avassalador do ano passado. O setor de criação funcionou bem, mas a defesa voltou a falhar seguidas vezes.

Erros à parte, o Flamengo encerrou um jejum de nove anos sem vencer na Vila Belmiro — a última vitória havia sido em 2011, no histórico 5 a 4. O triunfo veio graças ao instinto artilheiro de Gabigol, a Diego Alves e, principalmente, às demoradas intervenções, mas precisas, do VAR.

Num primeiro tempo movimentado e muito polêmico, o sufoco da defesa rubro-negra começou cedo. Aos nove minutos, Raniel balançou a rede, mas o VAR flagrou impedimento milimétrico quando o atacante recebeu passe de Pará. Assim que a partida foi reiniciada, foi a vez de Marinho marcar de falta, mas o VAR entrou em ação mais uma vez para avisar posição irregular Jobson, que, mesmo sem tocar a bola, participou do lance. As duas intervenções, somadas, duraram sete minutos.

ISLA ESTREIA

Já no ataque, o Flamengo provava que a semana de trabalho valeu a pena. Michael perdeu duas chances incríveis, mas se redimiu ao servir Gabigol para abrir o placar no fim da etapa inicial, chegando ao seu terceiro gol no Campeonato Brasileiro e entrando de vez na briga pela artilharia. O atacante comemorou repetindo o símbolo de Wakanda, nação fictícia do filme Pantera Negra, em que Chadwick Boseman atuou como protagonista.

Menos polêmico, mas ainda intenso, o segundo tempo foi de mais trabalho para Diego Alves, que precisou fazer boas defesas até ser substituído por César, aos 18, com dores no ombro. Poderia ter sido mais tranquilo se Gabigol não tivesse desperdiçado duas chances incríveis antes de também sair lesionado.

Outro destaque positivo foi a estreia do lateral-direito Isla pelo Rubro-Negro, entrando na vaga de Renê aos 20 do segundo tempo. Mesmo sem estar 100% fisicamente, a atuação do chileno agradou, com direito a cruzamento milimétrico na chance mais clara perdida por Gabigol.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | CRÉDITO: O DIA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!