Justiça mantém preso grupo que usava crianças para entrar nos EUA

362

Integrantes de um grupo que usava crianças para tentar entrar ilegalmente nos Estados Unidos disseram ter fechado um acordo de R$ 80 mil com um “coiote” para ter acesso ao país. A Polícia Federal ainda investiga os valores a serem desembolsados, pois as versões entre os que confessaram a prática não coincidem, e a maior parte dos detidos usou o direito de permanecer calado.

Dez adultos foram presos; uma adolescente, apreendida; e oito crianças, recolhidas pelos policiais federais, no Aeroporto de Brasília, quando já estavam dentro da aeronave que seguiria para Puerto Vallarta, no México, de onde tentariam chegar aos Estados Unidos. As prisões ocorreram nessa quinta-feira (05/09), após os agentes observarem uma série de coincidências no comportamento dos suspeitos, que se assemelham ao daqueles que tentam sair do país ilegalmente.

SEGURANÇA

Na tarde desta sexta-feira (06/09), a Justiça converteu a prisão em flagrante dos acusados em detenção temporária e determinou que as crianças ficassem aos cuidados do Conselho Tutelar. A adolescente que acompanhava a comitiva – mãe de um dos pequenos – seguiu para o registro do ato infracional na DCA da Polícia Civil do DF. Ela foi liberada e levada para o mesmo abrigo do filho.

“Eles não portavam nenhum documento além do passaporte. E isso é uma recomendação dos coiotes, para dificultar a identificação. Também não carregavam nenhuma bagagem, nem tinham recursos. Como é que alguém vai fazer turismo lá fora sem dinheiro?”, questiona o delegado da PF, Maurício Rocha da Silva.

“EMPRÉSTIMO DE CRIANÇA”

A maior parte das pessoas detidas veio de Porto Velho, capital de Rondônia. Um casal vivia em Goiânia (GO) com um menor de idade que diz ser filho deles. A polícia não confirma o parentesco entre nenhum dos envolvidos, pois há suspeita de falsidade ideológica nos passaportes apresentados. “Os documentos são legítimos, mas estamos levantando a autenticidade das informações que eles contêm”, disse o delegado.

A mãe de duas crianças chegou a “emprestar” os filhos para que outras três pessoas se passassem pelos genitores. Os pequenos passaram um mês com os falsos pais para se familiarizarem e criarem laços. Assim, isso tornaria mais verdadeira a tentativa de enganar autoridades americanas quanto ao parentesco.

“Ela disse não ter recebido dinheiro para emprestar os filhos. A relação deles era de muita solidariedade e camaradagem. Se as investigações comprovarem que ela cobrou, poderá ser agravada a responsabilização penal”, disse o delegado ao site Metrópoles.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: METRÓPOLES

COMENTE ESTA NOTÍCIA!