Negócios agroalimentares capixabas contam com apoio do Bandes

111

A produção, transformação e a distribuição de alimentos e bebidas estão intrinsecamente conectadas ao setor agroalimentar, um dos principais setores que permite um equilíbrio econômico na balança comercial nacional e que mais movimenta o desenvolvimento do País.

Neste contexto, o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), oferece linhas de investimentos voltadas para o crescimento e manutenção de projetos deste setor, como a linha de crédito emergencial para capital de giro Bandes Retomada, que apoia o desenvolvimento de todos os processos para negócios destas áreas de atuação.

No Espírito Santo, o agroalimentar está presente em grande parte da história do Estado, englobando desde a silvicultura até a cafeicultura, que foi um dos pilares do crescimento capixaba até meados da década de 1960.

Atualmente, todos os 78 municípios do Estado oferecem serviços para produtos agroalimentares, com uma alta competitividade, complexidade e importância na geração de renda e empregos. Em relação somente à cafeicultura, no Espírito Santo, segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), cerca de 400 mil trabalhadores capixabas estão envolvidos direta ou indiretamente em atividades agrícolas deste setor.

ATIVIDADES ESSENCIAIS

De acordo com o gerente de Negócios do Bandes, Ricardo Teixeira, as atividades agroalimentares são essenciais para a manutenção de diversos postos de trabalho no Espírito Santo, utilizando-se de versatilidade de atuação e apresentando um amplo raio de desempenho em negócios capixabas, como o setor de bebidas que tem um mercado sólido no Estado.

“O setor do agroalimentar engloba diversos outros setores importantes para o desenvolvimento econômico, como agricultura, comércio e serviços. Por isso, o Bandes atua com diferentes frentes para atender às demandas específicas de cada negócio, fornecendo o apoio ideal para a necessidade de cada empreendedor. Assim, por se tratar de um setor amplo, temos linhas de investimentos e fundos que apoiam integralmente o setor, por exemplo, as linhas Finep para inovação de produtos e serviços e o Bandes Retomada para capital de giro”, afirmou o gerente.

De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Industrial do Espírito Santo (Ideies), o agroalimentar movimentou, em 2018, cerca de US$ 700 milhões em exportação de produtos que inseriram o Espírito Santo no ranking dos 15 maiores estados brasileiros exportadores. Em relação aos segmentos da cafeicultura, o Estado foi o terceiro maior exportador em 2018, movimentando quase US$ 500 milhões. “A cafeicultura é um dos setores capixabas mais fortes na geração de emprego e renda, presente em todas as regiões do Estado de maneira bastante diversificada”, ressaltou Teixeira.

BANDES RETOMADA

O banco tem disponível aos empresários capixabas a linha de crédito Bandes Retomada que é destinada ao apoio de empresas com capital de giro, no valor de até R$ 5 milhões, e prazo total de até 48 meses, incluindo carência de até 12 meses. Os recursos da linha são destinados para ampliar a disponibilidade de apoio para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) do Espírito Santo.

A busca por ampliar os recursos disponíveis do Bandes para movimentar a economia do Estado é uma forma de o banco contribuir para que os empresários possam realizar novos investimentos e se prepararem para o novo ciclo econômico. Com, aproximadamente, R$ 165 milhões disponíveis, o Bandes pretende impulsionar os empresários capixabas na retomada econômica. Além disso, a linha também vai destinar, pelo menos, 20% das operações de financiamentos para empresas lideradas por mulheres.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | COM INFORMAÇÕES DA ASCOM DO BANDES

COMENTE ESTA NOTÍCIA!