Policial é flagrado dando tapa no rosto de adolescente de 13 anos por causa de pipa

402
REPRODUÇÃO/VÍDEO -O vídeo ainda mostra que os policiais militares quebraram a linha de pelo menos outras duas pessoas que estavam soltando pipa no parque.

Um menino de 13 anos foi agredido com um tapa no rosto por um policial militar, no último dia 11 de julho, enquanto soltava pipa no Parque Aterro Sapopemba, na região de São Mateus (periferia da zona leste de São Paulo).

De acordo com o pai do menino, o motorista William de Oliveira Cardoso, 34 anos, o local costuma receber centenas de crianças que vão soltar pipa. No dia da agressão, uma quinta-feira, seu filho havia ido brincar no parque, que fica próximo da casa onde moram.

Na ocasião, conta o pai, havia acontecido um atropelamento em um trecho do Rodoanel que fica ao lado do parque e o helicóptero Águia, da Polícia Militar, precisou pousar para fazer o resgate da vítima.

Os policiais militares, então, foram ao parque pedir para as crianças e adolescentes tirarem os pipas do alto, para não atrapalhar a aeronave. William afirma que o menino estava seguindo a determinação da PM, mesmo assim foi agredido.

“Meu filho começou a abaixar o pipa, mesmo sem estar perto [do helicóptero], já que eles [policiais] tinham pedido para abaixar. Mas chegou o policial cheio da razão, dizendo que mandou abaixar essa p*, e deu um tapão na cara dele”, conta o pai.

O vídeo ainda mostra que os policiais militares quebraram a linha de pelo menos outras duas pessoas que estavam soltando pipa no parque. Nenhum jovem apresenta qualquer tipo de reação à ação da PM.

‘MUITO MEDO’

Depois de ser agredido, o menino “ficou com muito medo”, segundo o pai. William afirma que a criança saiu correndo para o mato, tirou a camiseta e ficou escondido temendo que os policiais pudessem agredi-lo ainda mais.

O caso foi registrado na Corregedoria da Polícia Militar. Procurada pela reportagem, a PM disse que “foi instaurado procedimento apuratório” (abaixo a nota na íntegra).

O R7 questionou a Polícia Militar e a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) se a conduta do policial seguiu corretamente o procedimento da instituição.

A PM e a secretaria também foram questionadas sobre quais teriam sido os motivos para agressão e quem são os policiais militares envolvidos na ocorrência. No entanto, essas perguntas não foram respondidas.

Leia a íntegra da nota da PM:

“A Polícia Militar esclarece que sobre o vídeo encaminhado por esse Jornalista, foi instaurado procedimento apuratório, e a Corregedoria acompanha o caso.”

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA

FONTE: FOLHA VITÓRIA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!