Presidente da Câmara de São Mateus faz acusações mentirosas e levianas, tem oportunidade de se retratar, mas mantém ato de calúnia, difamação e injúria contra Jornalista e veículo de Imprensa

594

O presidente da Câmara de São Mateus, Paulo Fundão (PP), fez uma acusação infundada ao portal CENSURA ZERO e ao jornalista André Oliveira na manhã desta quinta-feira (6/05), em um grupo de WhatsApp que aborda temas políticos. O vereador foi alertado sobre o ato injusto, leviano e irresponsável por sua própria assessoria e a direção do veículo de Imprensa solicitou uma retratação. No entanto, o comandante do Legislativo, que é advogado, manteve o ato de calúnia, injúria e difamação diante dos outros 125 participantes.

Paulo Fundão marcou um link de conteúdo do canal do CENSURA ZERO no YouTube (‘Balanga e outros vereadores se confundem em votação de 3 prestações de contas na Câmara de São Mateus’), feito pelo jornalista André Oliveira (Diretor de Jornalismo e Conteúdo do veículo de Imprensa), comentando de forma acusatória sobre o corte apresentado no vídeo, no qual, ao fim da sessão de terça-feira (4/05), o comandante do Legislativo explicava os itens de votação de prestações de contas na sessão ordinária de terça-feira (4/05). Além disso, em acusação reincidente, o vereador de primeiro mandato afirmou que o CENSURA ZERO estaria atuando “bancado” por terceiros, classificando matérias jornalísticas como “ataques”.

“É hilário, comprova tudo aquilo que venho externando aos meus pares e a(sic) sociedade matense(sic), o corte do vídeo sobre o item 3.4 ratifica tudo aquilo que penso a respeito desses pérfidos e mendazes ataques e tentativas – que não tem eco nenhum – de prejudicar os trabalhos do parlamento, quem está “bancando” esses ataques já temos conhecimento, vai chegar o momento certo de nominá-los, queremos ver até quando eles vão “manter” essa situação. Justamente no item 3.4 que fala sobre a rejeição ao Projeto de Decreto Legislativo da gestão passada e que o Senhor(sic) André Oliveira vivia constantemente no gabinete do Presidente Jorginho Cabeção, de forma premeditada a um corte do vídeo, por que será ??????????”, postou o Presidente da Câmara, exatamente às 9h10 desta quinta-feira (6/05), que posteriormente, às 9h25, teria o comentário do Assessor de Imprensa da Câmara de São Mateus: “Todos sabemos o porque(sic)”.

Ao notar o post, às 9h22, o jornalista André Oliveira, respondeu: “Sr. Presidente da Câmara Municipal de São Mateus, Paulo Fundão, na condição de Diretor de Jornalismo e Conteúdo do CENSURA ZERO, repudio as palavras proferidas pelo senhor neste grupo, tendo em vista que o corte que o vídeo apresenta na leitura dos itens referentes aos projetos de decretos legislativos sobre as prestações de contas é original da gravação da própria Câmara Municipal de São Mateus, por meio da transmissão ao vivo feita pelo Facebook. O senhor mesmo e todos os participantes do grupo e internautas podem comprovar! Repudio também, e tomaremos as medidas cabíveis, quanto à acusação pública que o senhor faz com o uso das expressões “quem está bancando esses ataques já temos conhecimento” e “que o Senhor André Oliveira vivia constantemente no gabinete do Presidente Jorginho Cabeção, de forma premeditada a um corte do vídeo…”.

Na mesma resposta, o Diretor do CENSURA ZERO pediu ao Presidente da Câmara “que respeite o trabalho do Jornalismo Profissional e do veículo de comunicação CENSURA ZERO, que atua com base na Liberdade de Expressão com Responsabilidade e na Liberdade de Imprensa”, destacando que o assunto poderia ser argumentado de outra forma: “Sr. Presidente da CMSM, se o senhor tem algum ponto de discordância com a reportagem, deve procurar as vias legítimas e republicanas para apresentar sua contestação. De nossa parte, sempre estivemos disposto a entrevistá-lo, dando espaço para o contraditório. Essa matéria específica, com uso do vídeo original do sistema de comunicação da CMSM, dá publicidade a uma das ações do trabalho dos parlamentares em sessão ordinária. Por isso, torna-se incompreensível a sua reação descabida e em ambiente completamente inadequado!”.

André Oliveira respondeu também ao Assessor de Imprensa do Legislativo, às 9h30: “Sr. Pedro Moraes, na condição de servidor público lotado na Secretaria de Comunicação da CMSM, no cargo de ASSESSOR DE IMPRENSA, deveria tratar com mais respeito e ética os veículos de comunicação e os Profissionais Jornalistas que atuam em São Mateus, especialmente na cobertura jornalística do Poder Legislativo. Ademais, deveria saber e auxiliar o Sr. Presidente da CMSM, Paulo Fundão, no que se refere ao corte do vídeo na explicação do Sr. Presidente ao Vereador Cristiano Balanga sobre os itens referentes a prestação de contas que foram votados na sessão ordinária de terça-feira (4/05)”.

CORTE É DO VÍDEO ORIGINAL DA TRANSMISSÃO VIA FACEBOOK DA CMSM

Em esclarecimento geral ao grupo, às 9h34, o Diretor do CENSURA ZERO afirmou: “Prezados(as) integrantes do grupo VBN POLÍTICA, o vídeo original com a transmissão da sessão ordinária de terça-feira (04/05/2021) está disponível no seguinte endereço: https://www.facebook.com/camaradesaomateus/videos/1695095714008906“. O corte provocado por falha no sinal da internet pode ser constatado no tempo 2:32:03.

No trecho disponibilizado no canal do CENSURA ZERO, a Equipe CZ-318, responsável pelo material publicado, fez questão de advertir o internauta/espectador sobre o problema no vídeo original, que ocorre aos 44 segundos: “HOUVE CORTE NA TRANSMISSÃO OFICIAL DA CMSM”. Veja: https://youtu.be/3tm6HMIN35E

Dois minutos depois, Paulo Fundão postou o vídeo gravado no sistema interno da Câmara de São Mateus, que ao contrário do da transmissão oficial pelo Facebook, não tinha o corte provocado por falha do sinal de internet, afirmando: “Vídeo na íntegra”. Após ouvir o vídeo postado pelo Presidente da CMSM, às 9h39, o jornalista André Oliveira fez nova ponderação a Paulo Fundão, Pedro Moraes e aos demais integrantes do grupo, desta vez em áudio: CLIQUE AQUI.

Mesmo assim, o presidente da Câmara de São Mateus não admitiu a acusação infundada e preferiu defender-se com uma longa explicação: “Quero esclarecer a todas e todos deste seleto Grupo, principalmente aquelas que me conhecem, que sempre participei de Grupos de WhatsApp e de igual forma nunca me furtei a um bom debate, sempre de forma lhana, respeitosa e com fidalguia. Estou convicto que sempre busquei tratar a todos com o devido respeito, manifestando o meu pensamento como filho natural de São Mateus, cidadão e eleitor desta cidade que amo, isso é a mais lídima verdade. Nunca fui de rótulos, sou essência pura, e muitas vezes, por ser sanguíneo, não consigo deixar que a mentira prevaleça sobre a verdade, por isso apesar de muitos amigos me solicitarem para dar desprezo a algumas pessoas, por não terem credibilidade e estarem em busca de holofotes, não consigo, peço perdão aos meus amigos e amigas, a verdade tem que prevalecer. Quando aqui me pronuncio estou exercendo meu lídimo direito constitucional de cidadão mateense, quero externar publicamente que neste meio sou Paulo Fundão, eleitor, cidadão mateense e defensor intransigente da verdade. Não coaduno com tentativas de enganar a população. Esse tempo passou. Abraços sempre fraternos”.

Diante da explanação do vereador, com novas acusações, o Diretor do CENSURA ZERO fez outra ponderação: “Com todo o respeito, Sr. Presidente da Câmara de São Mateus, Paulo Fundão, o senhor foi eleito pelo Povo, o seu cargo é publico e tem funções públicas, ainda mais quando ocupa o comando do Poder Legislativo do Município. O senhor não tem como se licenciar do cargo para emitir opiniões ou participar dos debates e fazer posts nas redes sociais ou usar a internet! As funções da Vereança são indissociáveis da sua pessoa no uso das redes sociais e, especialmente em um grupo de WhatsApp com objetivo de tratar de Política! E a intervenção do senhor foi com relação a uma matéria jornalística que faz referência à Câmara de São Mateus. Não há como não dizer que o senhor o fez em defesa das suas funções como Vereador ou Presidente da CMSM. Até por isso, o meu respeito e o devido tratamento, que é uma norma do portal CENSURA ZERO constante do nosso Manual de Redação e dos nossos Princípios Editoriais, este último disponível aos visitantes do portal. Reitero que aguardo uma retratação do senhor quanto à grave acusação feita de forma injusta e irresponsável publicamente neste grupo!”.

NOTA DA REDAÇÃO:

O CENSURA ZERO confirmou com a assessoria da Câmara de São Mateus responsável pelas transmissões ao vivo pela fanpage oficial da CMSM que “o vídeo disponibilizado ao presidente Paulo Fundão é de gravação do sistema interno e a gravação da transmissão, de fato, tem corte original provocado por falha na conexão de internet”.

-No vídeo original da transmissão da página oficial da Câmara de São Mateus, o corte provocado por falha no sinal da internet ocorreu no tempo 2:32:03. https://www.facebook.com/camaradesaomateus/videos/1695095714008906

-Agora veja o trecho do vídeo original postado pelo canal do CENSURA ZERO no YouTube, no tempo 44 segundos: https://youtu.be/3tm6HMIN35E

A Direção de Jornalismo e Conteúdo do portal CENSURA ZERO aguardou pela retratação do Presidente da Câmara de São Mateus, Paulo Fundão, até as 23h30, quando houve decisão pela elaboração da presente reportagem, para registro público do fato.

NOTA DA PUBLICADORA:

A empresa VISÃO ATALAIA EDITORA, COMUNICAÇÃO E MARKETING EIRELI, responsável pelo jornal online CENSURA ZERO, repudia o comportamento e a postura do Sr. Presidente da Câmara Municipal de São Mateus, Paulo Fundão, principalmente por se tratar de um operador do Direito.

O portal CENSURA ZERO é um veículo de comunicação legalmente constituído e exerce com legitimidade suas atividades em consonância com a legislação vigente e as normas técnicas do Jornalismo Profissional. Nossa atuação é pautada em princípios éticos, morais e cristãos.

Tanto a empresa jornalística quanto o veículo de comunicação têm profundo respeito às opiniões dos Leitores/Internautas, que são para nós ferramenta de aperfeiçoamento constante, e valorizam a parceria de Anunciantes e Fontes. Todavia não recuamos um milímetro das prerrogativas da Liberdade de Expressão com responsabilidade e da Liberdade de Imprensa, que nos são asseguradas pela Constituição Federal.

“Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres” (João 8:36).

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!