Saúde mental materna: campanha ‘Maio furta-cor’ alerta para a importância de falar sobre o tema

160

Tristeza, ansiedade, insegurança, esgotamento. Esses sentimentos podem fazer parte da rotina de mulheres que vivenciam a experiência de ser mãe. Apesar de comuns, situações como essas são pouco discutidas; ao contrário, o que se difunde, principalmente no mês de maio, é a imagem da mãe heroína e perfeita. É com o objetivo de sensibilizar a população para a causa da saúde mental materna que foi criada a campanha ‘Maio furta cor’, idealizada pela psicóloga perinatal e parental Nicole Cristino e pela psiquiatra Patrícia Piper. Segundo a ação, furta-cor é uma cor cuja tonalidade se altera de acordo com a luz que recebe, não havendo uma cor absoluta para aquele que lança o olhar. No espectro da maternidade não é diferente, nele cabem todas as cores.

“Esse papel inalcançável no qual muitas mulheres se fantasiam é alimentado por crenças enraizadas na sociedade. É muito necessário que a gente humanize a pessoa por trás desse papel”, explica Nicole Cristino. As mudanças no corpo durante a gestação e pós-parto foi um dos conflitos vividos pela gerente de finanças Thays Low, mãe de Noah, de 1 ano. “Eu via outras mães felizes com o barrigão, mas testemunhar meu corpo mudando não era lindo para mim. Se por um lado eu estava feliz por estar gestando um sonho, por outro, me sentia muito afetada com essas mudanças físicas”, conta.

A aceitação do próprio corpo é um desafio para muitas mulheres é uma realidade diferente da que se vê entre as celebridades. “Esse é um lugar muito sensível que foi construído sobre o corpo feminino. É difícil para as mães lidarem com essas mudanças, mas a gente trabalha para ajudá-las a naturalizar isso que é da ordem do biológico, lembrá-las que a reprodução deixa marcas no corpo e que o problema não são elas, mas a cultura que foi construída sobre o corpo feminino!”, explica Nicole.

PRESSÕES EXTERNAS E FALTA DE ATENÇÃO À MÃE

Para a gerente de marketing Monica Rentroia, o desafio foi lidar com a pressão externa. “Questionam nosso tipo de parto, se vamos nos dedicar integralmente à maternidade, se vamos abrir mão da carreira. Aí o bebê nasce e, com ele, uma nova leva de julgamentos e opiniões: se vamos ou não amamentar, até que idade isso vai acontecer”, desabafa Monica. 

“A gente precisa rever todos os nossos códigos sociais e pensar que, no primeiro momento, as atenções devem ser diretamente para a cuidadora principal, principalmente para a mãe que está amamentando. Normalmente, a ação é visitar o bebê e deixar a mãe invisibilizada. As famílias precisam cuidar da mãe e se importar com ela. Isso vai ser promotor de saúde mental materna”, avalia Nicole Cristino. No recém-lançado livro ‘Verdades que ninguém te conta’, a psicóloga e outras especialistas fazem análises e oferecem dicas sobre saúde mental materna.

RELATOS REAIS

A publicação, da Editora MOL em parceria com a Tip Top, reúne relatos reais de Thays, Monica e outras mães que enfrentam situações como a falta de uma rede de apoio, a depressão pós-parto, conflitos conjugais, a dificuldade de amamentar e relação entre maternidade e projetos pessoais.

O livro tem o objetivo de ajudar não só as mães, mas todos que percebem a importância de escutar o que elas têm a dizer e, a partir disso, e estão dispostos a formar uma rede de apoio, permitindo a mães e filhos as melhores condições para viver os encantos dessa relação.

“O livro também é para quem quer ouvir o que as mães têm a dizer. Como editora especializada em impacto social, a MOL acredita que a construção de um mundo melhor passa pela empatia com dilemas do nosso dia a dia, entre eles, a saúde mental materna”, afirma a cofundadora da Editora MOL, Roberta Faria.  

DOAÇÕES

‘Verdades que ninguém te conta’ é vendido nas lojas franqueadas da Tip Tip e parte do valor de venda será revertido para a ONG Gerando Falcões, que atua na área desenvolvimento social de crianças, jovens, líderes e moradores das favelas, e para a Unibes, que atende pessoas em situação de vulnerabilidade social por meio de apoio à educação, capacitação profissional e cultura. O potencial de doação com a venda de 20 mil exemplares é de R$ 54.717,60. 

“Estamos muito felizes com mais este lançamento. Este projeto é para nós de extrema importância, pois tem como objetivo impactar positivamente nossa sociedade em parceria com duas instituições muito sérias e que fazem a diferença em nosso país. Esta é uma pequena forma de contribuir para a amenizar as injustiças e desigualdades sociais. Além disso, todo o conteúdo, ilustrações e histórias são lindas e emocionantes, muito pertinentes ao que a marca acredita. É um livro feito com o coração, de mãe pra mãe”, finaliza a head de marketing da Tip Top, Dani Boll.

EDITORA MOL

A MOL é a maior editora de impacto social do mundo. Fundada em 2007, ela produz livros, revistas, calendários, jogos, álbuns de figurinhas e outros produtos editoriais vendidos em grandes redes varejistas a preços acessíveis, sempre com renda revertida para causas. Os produtos da MOL já doaram mais de R$ 48 milhões para mais de 150 ONGs.

Os cofundadores da empresa, Roberta Faria e Rodrigo Pipponzi, são empreendedores sociais reconhecidos nacionalmente pelo Prêmio Empreendedor Social da Folha de São Paulo e internacionalmente pela Fundação Schwab, braço social do Fórum Econômico Mundial. Saiba mais em www.editoramol.com.br

SOBRE A TIP TOP

Há 70 anos no mercado e com cerca de 140 lojas espalhadas por todo o Brasil, a Tip Top traz para as suas coleções uma mistura entre as tendências de moda e conforto que reforçam a qualidade dos seus produtos e torna a marca reconhecida no mercado de roupas infantis, principalmente no segmento bebê.

Com uma linha completa de roupas e acessórios, criada de acordo com cada estação do ano, a Tip Top busca traduzir toda a diversão e colorido que as nossas crianças gostam e merecem. Saiba mais em www.tiptop.com.br

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | COLABORAÇÃO: PROPÓSITO COMUNICAÇÃO DE CAUSAS

COMENTE ESTA NOTÍCIA!