Sindipetro-ES repudia indicação de Paulo Fundão sobre imóvel da Petrobras: ‘É mentira dizer que a área está obsoleta’

Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo diz que presidente da Câmara de São Mateus está mal informado sobre situação da sede da Petrobras

416

O Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (Sindipetro-ES) publicou nota de repúdio às declarações do presidente da Câmara de São Mateus, vereador Paulo Fundão (PP), por conta da Indicação nº 523/2021, na qual o parlamentar solicita ao prefeito Daniel Santana (sem partido) a “desapropriação do imóvel de propriedade da Petrobras S/A – Base 61, localizado na Rodovia BR-101, Km 68, no Bairro Morada do Ribeirão”, sob o argumento de que o local “encontra-se em estado de abandono”.

A indicação foi aprovada por unanimidade pelos vereadores mateenses na sessão ordinária de terça-feira (27/07), inclusive por Ciety Cerqueira, parlamentar do PT, que é tradicionalmente ligado ao Sindipetro-ES e à CUT. Na proposição, Fundão ressalta que o imóvel “encontra-se em total estado de abandono, não cumprindo a função social da propriedade neste Município, deste modo, podendo ser utilizado, para a prática de condutas criminosas por pessoas que circundam a região onde está encravado”.

Na nota de repúdio, o Sindipetro-ES afirma que “foi lastimável ler as declarações do vereador Paulo Fundão (PP)” e frisa de forma enfática: “Uma pessoa pública deveria ter mais zelo às informações que passa aos seus eleitores. Ao pedir a desapropriação do imóvel da sede da Petrobrás, com a justificativa de que o local está ‘obsoleto’ devido à saída da empresa em São Mateus”.

A intenção de Fundão é que o imóvel da Petrobras, seja destinado para as dependências administrativas de toda a Administração Pública Municipal, frisando que “trará benefícios com a economia de dinheiro público gasto com locação de espaços para funcionamento das Secretarias Municipais, sede da Prefeitura e outros”. Na justificativa da indicação, ele chega a citar “uma relação de custo/benefício do investimento na desapropriação extremamente favorável ao Município”.

Mas o Sindipetro-ES esclarece que “a Petrobras ainda não saiu de São Mateus”, salientando que, “até por isso, é mentira dizer que a área está ‘obsoleta'”. A nota de repúdio frisa: “Mais de 200 funcionários terceirizados e muitos outros trabalhadores próprios da Petrobras da Base 61 continuam trabalhando no local, embora muitos ainda estejam trabalhando de home office. A base continua operando com a manutenção, com pessoal da empresa, vigilantes… Ou seja, não tem nada abandonado”.

LUTA PELA PERMANÊNCIA DA PETROBRAS

A nota de repúdio, publicada no site oficial do sindicato, afirma que o vereador Paulo Fundão está focando no problema errado: “Ele deveria estar preocupado, sim, com o possível fechamento da Base 61. E não com o uso do local para outras finalidades. Falando assim, parece até que há algum interesse na especulação imobiliária do local. Preferimos acreditar que não seja o caso”.

O Sindipetro-ES informa que tem trabalhado junto ao prefeito Daniel Santana, fazendo audiências públicas para mobilizar a população de São Mateus para a permanência da Petrobras no Município. “A luta nossa e dos políticos da cidade tem que ser para que a Petrobras permaneça, para que continue empregando e gerando renda ao município”, salienta a nota de repúdio a Paulo Fundão.

VEJA A INDICAÇÃO Nº 523/2021, DE AUTORIA DO VEREADOR PAULO FUNDÃO: CLIQUE AQUI

VEJA A NOTA DE REPÚDIO DO SINDIPETRO-ES À INDICAÇÃO DO VEREADOR PAULO FUNDÃO: CLIQUE AQUI

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!