Nova espécie de anfíbio é descoberta em remanescentes de floresta no Sul do Espírito Santo

579

Pesquisadores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), sob a coordenação da Dra. Jane C. F. de Oliveira e colaboração de alunos do Centro Universitário São Camilo encontraram no início de 2018 uma nova espécie de anfíbio no Sul do Estado do Espírito Santo nos remanescentes de floresta do Monumento Natural Estadual Serra das Torres (Monast),que abrange os municípios de Átílio Vivácqua, Mimoso do Sul e Muqui.

A espécie é agora a segunda que compõe o gênero Luetkenotyphlus. A primeira foi descrita há 168 anos, sendo agora as únicas duas espécies conhecidas neste gênero. Os registros da espécie foram feitos inicialmente durante inventários de anfíbios e répteis na Mata do Ouvidor, em Itapemirim.

Em seguida foi incluída no inventário de anfíbios e répteis do Monumento Natural Serra das Torres, ambos em projetos compostos pelos mesmos pesquisadores. A parceria para a descrição taxonômica e da espécie foi feita com o Dr. Adriano Maciel, do Museu Paraense Emilio Goeldi que liderou as avaliações genéticas e morfológicas desta espécie até então desconhecida para a ciência.

Segundo a Dra. Jane C. F. de Oliveira que coordenou a expedição na Serra das Torres, onde foi obtido o maior número de registros da nova espécie, a Serra das Torres já revelou em estudos anteriores feitos, também pela equipe, a importante biodiversidade que tem guardada em suas florestas.

“Outros importantes estudos foram publicados para o Monumento, mas esta é a primeira espécie nova descrita para a Unidade e a primeira deste gênero que é endêmica do Espírito Santo. Luetkenotyphlus fredi mostra o quanto as matas da Serra das Torres são importantes para preservar espécies raras”, disse.

FLORESTAS PRESERVADAS

A pesquisadora afirmou ainda que a espécie nova encontrada na Serra das Torres a na Mata do Ouvidor parece estar associada a florestas preservadas, pois é um anfíbio que vive enterrado entre as folhas e a terra e que depende portanto de uma camada de folhas e de umidade adequada para sua existência.

“Na Serra das Torres a espécie foi encontrada nos municípios de Atílio Vivácqua e Mimoso do Sul, mas é provável que esteja distribuída em toda a região preservada do Monumento. Na Mata do Ouvidor ela foi encontrada apenas uma vez em uma parte preservada da mata. Nossa descoberta destaca a importância de estudos científicos para levantamento e conservação da biodiversidade, particularmente em tempos de regressão de políticas públicas relacionadas ao meio ambiente do Brasil”, explicou.

IMPORTÂNCIA DA DESCRIÇÃO DA ESPÉCIE

Luetkenotyphlus fredi é até o momento endêmica do estado do Espírito Santo e restrita às duas localidades onde foi encontrada (Mata do Ouvidor e Serra das Torres), ou seja, esta espécie não é conhecida em nenhuma outra parte do mundo até agora. A Mata Atlântica é uma das florestas mais ricas do mundo em biodiversidade e hoje é considerada um dos biomas mais ameaçados do planeta.

A descoberta de uma nova espécie, reforça a necessidade de conservação dos remanescentes florestais do Bioma e indicam que podemos ter perdido espécies antes mesmo de conhece-las. Por isso, é essencial manter florestas preservadas em áreas protegidas, como o Monsat, além de fragmentos bem conservados em áreas particulares como a Mata do Ouvidor.

NOME DA ESPÉCIE

Luetkenotyphlus fredi é uma homenagem ao biólogo Dr. Carlos Frederico Duarte Rocha (Fred Rocha) pela sua imensa contribuição aos estudos de ecologia de anfíbios e répteis no Brasil e o Mundo e pelos significativos esforços para a conservação da Mata Atlântica.

CENSURA ZERO – REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: ASCOM IEMA/SEAMA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!