Suspeito de tentar matar a ex-namorada com pé de cabra é preso em Vila Velha

363

O homem suspeito de tentar matar a ex-namorada, de 34 anos, usando um pé de cabra, na última sexta-feira (23/08), no bairro Araças, em Vila Velha, foi preso no último sábado (24). Ele é condenado por ter matado outra ex, em 2005, e estava em liberdade condicional, segundo a Polícia Civil. A vítima levou mais de 30 pontos na cabeça e já teve alta médica.

As agressões aconteceram na sexta-feira, por volta das 13h30, quando a vítima Andressa Ramos Dalto esteve na casa onde mora para almoçar. A mãe Iris Rosália Ramos, disse que ela foi surpreendida pelo ex. As agressões só pararam depois que ela se colocou entre o agressor e a filha. Iris também foi ferida nos braços e pernas.

A vítima foi socorrida por uma ambulância do Samu e levada para um hospital particular do município. Ela levou mais de 30 pontos na cabeça e teve alta na sexta-feira.

“Ela tocou a vida dela e, há um mês, começou a se relacionar com outra pessoa. Quando ele ficou sabendo desse novo relacionamento, ficou inconformado e queria que ela retomasse o relacionamento com ele. Ela não quis, por isso ficou inconformado”, explicou a delegada.

Dematté ainda ressalta que esse comportamento é resultado do machismo, no qual o homem acredita que tem posse da mulher. “Quem ama não agride, não humilha. Violência não é demonstração de amor”, ressaltou.

ENTENDA O CASO

Antes do crime, a mãe da vítima contou para a polícia que o suspeito passou duas vezes na casa atrás da filha dela, que tinha ido dormir na casa do atual namorado. Quando Andressa chegou, informou que não teria mais nada para conversar com ele.

Em razão da negativa dela, segundo a polícia, ele teria tirado o é de cabra que estava na mochila e ameaçado destruir o carro dela caso não deixasse ele entrar na casa. A vítima disse que não deixaria e ele, então, começou a agredir ela na rua.

Quando a mãe viu a agressão, se jogou entre a filha e o agressor. Andressa foi atendida por uma ambulância do Samu e levada para um hospital particular. Ela teve alta no mesmo dia. Familiares contaram que as duas estão com muitos hematomas, mas se recuperam bem.

FEMINICÍDIO

O homem, de acordo com a Polícia Civil, já tinha sido condenado por matar uma ex-namorada, com o mesmo nome da vítima, pelo mesmo motivo. O suspeito estava em liberdade condicional.

Na época, o crime não foi julgado como feminicídio porque não tinha esse tipo de tipificação. “Isso é um absurdo. Isso nos choca”, revelou Dematté ao relevar o passado do suspeito de agressão.

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | FONTE: G1ES

COMENTE ESTA NOTÍCIA!