Cássio vê ‘má vontade’ na liberação de licença ambiental do porto Petrocity e reforça apoio da classe empresarial do norte capixaba

514

O empresário Cássio Caldeira vê “má vontade” na análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima) do projeto do Centro Portuário de São Mateus (CPSM) no processo de liberação para o licenciamento ambiental junto ao Instituto Estadual do Meio Ambiente (Iema).

Membro da Associação Empresarial do Litoral Norte do Espírito Santo (Assenor), Cássio reafirmou que o megaempreendimento da Petrocity alavancará o desenvolvimento no norte capixaba, leste mineiro e sul baiano, e reforçou o apoio da classe empresarial ao diretor-presidente José Roberto Barbosa da Silva e investidores.

Cássio Caldeira participou de entrevista coletiva em um hotel de São Mateus, na qual José Roberto detalhou à imprensa o recurso que a Petrocity apresentará ao Iema, cujos técnicos indicaram a rejeição da licença ambiental.

Também participaram o presidente da Câmara de São Mateus, Jorge Recla, acompanhado dos vereadores Aquiles Moreira e Jerri Pereira, representantes de associações de moradores, comerciantes, pescadores e catadores de caranguejo de Urussuquara e adjacências.

Veja a entrevista com Cássio Caldeira em vídeo exclusivo do CENSURA ZERO:

VEJA TAMBÉM:

Jerri acredita no fim do impasse entre Iema e Petrocity: ‘porto será implantado em São Mateus’

Moradores, comerciantes, pescadores e catadores de caranguejo reforçam apoio ao porto da Petrocity: ‘Somos a favor do desenvolvimento’

Em resposta ao Iema, Jorginho reitera apoio da Câmara de São Mateus ao porto Petrocity e rechaça movimento contrário

Petrocity estima perda de R$ 3,1 bilhões com medida do Iema, mas assegura implantação do porto em São Mateus

Em São Mateus, José Roberto contrapõe Iema e reafirma sustentabilidade do porto da Petrocity: ‘Estado tem obrigação com o empreendedor’

CENSURA ZERO – AQUI TEM CONTEÚDO! | REDAÇÃO MULTIMÍDIA | PRODUÇÃO E ENTREVISTA: ANDRÉ OLIVEIRA | IMAGENS E EDIÇÃO: EDUARDO FERREIRA

COMENTE ESTA NOTÍCIA!